Variações sobre o mesmo tema: torta de cenoura

_LIN2303

Passou das duas da matina, estou cansada e com sono, mas acho que vale fazer o post dessa torta agora. Porque sei que vou acordar tarde, esbaforida pra resolver um monte de pendências e acabaria desistindo de fazer essa postagem. E a dica é que vc faça essa torta neste final de semana.

Gente, eu amei essa receita que me foi enviada por uma amiga! Pela simplicidade (adoro receitas fáceis e rápidas) e pelo resultado surpreendente. A proposta original é de uma torta de cenoura com manjericão. Na primeira vez em que fiz fiquei decepcionada porque salguei demais (nunca sei bem qual a proporção do “à gosto”). Mas deu pra perceber o potencial da receita.

Depois disso, ganhei de presente, da mesma amiga que me enviou a receita, uma caixinha linda em forma de ursinho com pedaços dessa torta (com sal na medida certa) cortados em formato de coração. Do jeitinho que ela costuma fazer pra sua filhota. Fiquei ainda mais animada a tentar novamente, porque adorei a ideia de cortar a torta em formatos diferentes e principalmente porque é de fato uma delícia.

E lá fui eu. Mas tive que fazer uma pequena (e considerável) mudança. Meu pé de manjericão morreu e ainda não providenciei outro. E nos mercados pelos quais passei, os maços estavam bem feios. Então resolvi fazer sem manjericão mesmo e pra ressaltar o sabor, dobrei a quantidade de queijo pedida na receita e troquei o parmesão pelo tipo grana.

Adorei o resultado e estou pensando em fazer uma versão com gorgonzola!

_LIN2307

_LIN2321

_LIN2335

Torta de cenoura e queijo

Ingredientes:

3 xícaras (chá) de cenoura ralada no ralo grosso
1 xícara (chá) de farinha de trigo
1/2 xícara (chá) de óleo
1 colher (sopa) de fermento em pó
1 xícara (chá) de queijo tipo grana ralado (saquinho de 100g – comprei no Pão de Açúcar)
4 ovos batidos
1 cebola picada
sal e pimenta-do-reino a gosto (Coloquei uma colher rasa (chá) de sal. Não usei pimenta)

Modo de preparo:

Ponha no liquidificador o óleo, o queijo, o sal e os ovos. Bata até ficar homogêneo.

Numa tigela misture a farinha com o fermento. Adicione a mistura do liquidificador e misture bem com um fouet (batedor manual) ou uma colher grande). Junte a cenoura e a cebola e misture delicadamente. Corrija o sal e despeje em um refratário untado com manteiga. Leve ao forno médio preaquecido até dourar. Sirva frio ou quente.

Para aquecer seu coração, caldo verde com cará

Sopa é um prato que, na minha opinião, ultrapassa a função de alimentar. Não… Não vou discorrer sobre sua história. Ando meio sem saco pra isso, me desculpem. Ultimamente não tenho tido paciência, força nem vontade de me meter em discussões históricas, filosóficas, culturais, políticas, religiosas e polêmicas.

Eu só gostaria de compartilhar uma receita muito fácil e saborosa que me fez lembrar de que a sopa reúne amigos, consola corações partidos, esquenta a alma e desce fácil goela abaixo nos dias em que alguma tristeza ou cansaço nos faz perder a fome.

(803 de 803) cópia

Caldo verde com cará

Coisas de Facebook. Uma amiga comentou comigo sobre um caldo verde com cará que o marido da irmã fez. Já que divulgou, pedi receita, né! Achei a proposta bem interessante e lá fui eu atrás dos ingredientes. Fiquei intrigada, com receio de que a textura ficasse algo meio… melequento. Que nada. Ficou um creme macio e muito gostoso.

– 1/2 kilo de cará (usei 800 g)

– 2 paios (substituí por cerca de 200g de ricota defumada com pimenta)

– 5 folhas de couve (comprei aqueles saquinhos de couve já picada e usei metade)

– sal a gosto

Modo de Preparo

Descasque o cará e o leve ao fogo para cozinhar (com o sal)

Bata o cará cozido no liquidificador com a água do cozimento e leve ao fogo com o paio (ou ricota defumada) e a couve. Deixe ferver. (Antes de levar ao fogo refoguei 4 dentes de alho na manteiga).

Para acompanhar, pão quentinho.

Costumo comprar o “caseirinho” da padaria e deixo congelado. Na hora de consumir é só colocar direto do congelador no forno. Nem precisa pré-aquecer. O pão fica crocante por fora e fofinho por dentro.

Bom apetite!

Bolo de gengibre da Carol

(83 de 135) cópia

Antes de falar do bolo, apresento-lhes a Carol, dona da confecção Carol Moraes by Augis, que fica na rua em que eu moro, e conto como foi que a conheci.

(169 de 186) cópia Esta é a Carol

Na véspera do último Natal, pra variar, eu estava na maior correria com as encomendas do Doce mundo de Lili. E isso acabou comprometendo minha atenção para comprar o presente da amiga secreta (minha irmã se casou, as famílias são amigas, todos resolveram se juntar numa única festa de Natal e pra evitar muitos gastos num ano de tantas contenções, o pessoal decidiu fazer um amigo secreto).

Como tudo isso já passou, posso contar que minha amiga secreta foi mãe do meu cunhado (soa melhor do que sogra da minha irmã). Dona Fátima é uma querida jovem senhora, divertida, que gosta de se arrumar, viajar, passear, conhecer gente nova… Enfim, que curte a vida. Eu queria dar algo a ela que tivesse a ver com tudo isso. Fiquei frustrada por não ter tido tempo de pesquisar algum livro bacana ou um item útil pra uma viagem. E já era véspera da festa. Foi quando minha mãe me disse: “aqui na sua rua tem uma loja de fábrica com roupas bonitas, básicas, modernas e confortáveis. Por que vc não dá um pulinho lá?”.Desconfiei. Mas como eu já estava quase sem opção, sem tempo, sem dormir e sem saber o que pensar, resolvi dar uma passadinha.

De cara achei um vestido legal. Na medida certa pra Dona Fátima arrasar em seus passeios. Daí, vi um que gostei pra mim também. E quando eu me dirigia ao provador, algo no meio do caminho me chamou muito a atenção. Em cima de uma mesinha, um bolo fofo, daqueles com furo no meio, que pede café e parece dizer “vem, meu bem”.

De dentro do provador, ouvi a atendente dizer à minha mãe: “a senhora aceita um bolo de gengibre? Foi a mãe da Carol quem fez para servirmos aos clientes. Já é uma tradição”. Quase gritei de dentro do provador: “Eu queroooo!”.

Mas não gritei. Saí correndo de lá pra perguntar mais sobre o bolo e, claro, pegar o meu pedacinho. Depois da primeira mordida, eu quis tudo: fazer foto, conhecer a Carol e, claro, a receita.

Pra minha surpresa, ao lado do bolo estava uma pilha de papeizinhos decorados com lacinho de cetim e com a receita impressa para quem quisesse levar. Coisa fofa.

bolo da CarolO bolo oferecido na loja, com a receita do ladinho

A Carol me contou que essa história começou porque elas participam de muitas exposições. Sua mãe fazia o bolo para levar a esses eventos. O sucesso era sempre tão grande, que resolveram estender o mimo às clientes da loja de fábrica. Aquela que fica na rua em que eu moro.

Garanto que quem fizer este bolo vai receber muitos elogios. E o melhor de tudo: é super fácil e rápido.

Bolo de gengibre da Carol

– 4 ovos

– 2 xícaras (chá) de farinha de trigo

– 2 xícaras (chá) de açúcar

– 1 colher (sopa) de fermento em pó

– 1 xícara (chá) de leite gelado

– 1 xícara (chá) de óleo

– 1 colher (sopa) de gengibre picado (eu coloco quase duas colheres de gengibre ralado)

– açúcar e canela para polvilhar (prefiro só açúcar)

O bolo que comi na loja estava incrementado com pedacinhos de nozes. Ideia da mãe da Carol pra dar uma carinha de Natal. Ficou muito bom.

Modo de preparo:

Bater no liquidificador os ovos, o leite, o óleo e o gengibre. Reserve.

Peneirar a farinha de trigo, o açúcar e o fermento.

Misture o líquido aos secos e misture bem.

Assar em forma untada, em forno pré-aquecido, por aproximadamente 40 minutos ou até que esteja dourado (faça o teste do palito).

Desenforme ainda quente e polvilhe o açúcar.

Bom apetite!

Bolo de Gengibre1

Sonho de consumo

forma-de-bolo-nordicware-anniversary

Um dia ainda compro uma forma Nordicware pra fazer um bolo de gengibre digno de foto.

Conheça a loja da Carol

Hoje me ligaram pra avisar que a loja está em liquidação =)(159 de 186) cópia

Carol Moraes by Augis

R. Jaguaretê, 313 – Casa Verde

Um almoço especial e duas receitas fáceis e rápidas

Muita coisa aconteceu do último post para cá. O Atelier de doçuras Lili & Clo fechou, retomei as atividades do Doce Mundo de Lili e estou reestruturando a minha Caixa Mágica. O dia a dia está bem agitado e mal sobra tempo pra dormir. Mas de vez em quando, consigo dar um jeitinho pra fazer algo por puro prazer. Como agora, escrever neste blog. Compartilhar com vocês duas receitas que fiz hoje para o último aniversário de solteira da minha irmã.

Como ela está correndo mais do que eu, administrando diferentes negócios, fazendo cursos à noite e aos finais de semana e providenciando os últimos detalhes do casório, decidiu que não teria comemoração neste ano. Por simples falta de tempo. E também porque ela está de regime.

Acho que a minha cara de decepção foi tão grande, que ela resolveu repensar. Porque pouco depois, disse que sua agenda tinha uma brecha hoje e que ela abriria mão do regime na hora do almoço. Então, lá fui eu preparar algo rápido, porém especial.

Em menos de 4 horas, o almoço para cinco pessoas já estava pronto! Enquanto a lasanha de ricota e manjericão estava no forno, avançamos para uma mesa com salada verde e de legumes, pãezinhos, geleia de framboesa e pimenta, queijo brie e azeites.

E depois da lasanha (ou lasagna), o bolo de aniversário! Pão de ló com recheio de morango e creme de baunilha e cobertura de chantilly. Uma tradição da nossa família que foi quebrada alguns anos atrás e que estou retomando agora (em todos os aniversários dela tinha que ter um bolo branco com morangos e chantilly. E era ela quem sempre quis assim).

Um almoço fácil, rápido e especial =D

Lasanha de ricota e manjericão

800 g de ricota fresca

100 g de queijo parmesão ralado

2 ovos grandes

1 colher (chá) de sal

1/2 colher (chá) de pimenta do reino (usei a branca)

1/2 xícara de manjericão picado

500 g de lasanha seca instantânea (vai direto ao forno)

1,3 de molho de tomate pronto (refoguei com uma cebola média picada no azeite)

Modo de preparo

Em uma tigela grande, amasse a ricota com metade do parmesão, os ovos, o sal, a pimenta e o manjericão.

Em uma fôrma refratária média, coloque primeiro um pouco de molho e vá alternando camadas de massa, ricota, massa e molho.

Polvilhe com o parmesão restante. Leve ao forno moderado (180oC), preaquecido, por 50 minutos ou até dourar.

Bolo de aniversário

Pão de ló

150g de açúcar

5 ovos

150g de farinha de trigo

Modo de preparo

Bata o açúcar com os ovos até dobrar o volume (cerca de 8 minutos).

Sem bater, junte a farinha delicadamente.

Divida a massa em duas fôrmas de 20cm de diâmetro untadas, com o fundo forrado com papel manteiga também untado, e asse no forno preaquecido até que espetando um palito ele saia limpo. Dica: unte (bem) apenas com manteiga (e não margarina). O bolo desgruda lindamente da fôrma!

Desenforme morno.

Recheio

4 gemas de ovo

100 g de açúcar

500 ml de leite

20g de amido de milho

1 fava de baunilha

Modo de preparo:

Ferva o leite com a fava de baunilha (antes, faça um corte em toda a extensão da fava)

Bata as gemas com o açúcar e incorpore o amido de milho.

Despeje metade do leite quente sobre as gemas batidas, mexendo.

Coloque a mistura numa panela (de preferência antiaderente)  e cozinhe por aproximadamente doi minutos, mexendo sempre até engrossar.

Deixe esfriar.

Chantilly

1 litro de creme de leite fresco

4 colheres de açúcar refinado

Modo de preparo:

Bata o chantilly com o açúcar na batedeira em velocidade máxima até atingir o ponto de chantilly firme.

Fique de olho pra não bater demais, senão o resultado será um creme pesado e gorduroso.

Montagem

Corte os dois bolos ao meio.

Recheie a base do primeiro bolo com o creme de baunilha e por cima coloque fatias grossas de morangos. Coloque a parte superior do bolo e repita a operação com o segundo bolo por cima deste.

Cubra o bolo com o chantilly, com as costas de uma colher ou com saco de confeitar.

Bon Appétit!

Modak, o docinho preferido do Ganesha

Minha sócia, a Claudia Maierá, tem em nosso atelier uma pequena imagem do Senhor Ganesha. Famoso pela sua cabeça de elefante, essa divindade representa a solução lógica para os problemas e é reverenciado pelos que pedem pela remoção de obstáculos e prosperidade nos negócios. Seu aniversário é uma das festas mais populares do hinduísmo. São 10 dias de comemoração entre o final de agosto e o início de setembro.

Durante a comemoração, mantras são entoados e  estátuas de Ganesha são ungidas com sândalo para receberem muitas oferendas, entre elas, seu doce preferido, o modak (bolinho a base de farinha de arroz, recheado de açúcar mascavo e coco).

Eu não sabia desses detalhes. Tinha conhecimento apenas da existência dessa deidade e da sua representação. Mas dias atrás, a Claudia me apareceu pedindo um docinho para oferecer ao Ganesha porque era seu aniversário. Entreguei pra ela um saquinho de mini pães de mel e ela complementou com um copinho de brigadeiro.

Coincidentemente, naquela semana comprei a edição de setembro da revista Bons Fluidos, que vinha com uma matéria sobre este assunto e a receita do modak, cedida por Mukesh Shandra, proprietário do restaurante Govinda.

Achei bem interessante. Não só a história, mas a receita, principalmente nessa minha fase low sugar. Então, lá fui eu fazer o docinho certo do Ganesha! Em entrevista à revista, Rafael Espadine, porta-voz do Consulado da Índia diz que “a iguaria é preparada sem ser experimentada e depois oferecida à divindade com toda pompa. Passados alguns minutos, as pessoas se servem. Como se o homenageado tivesse saboreado o prato e, em troca, deixado suas bençãos”.

Durante o preparo, o aroma que o recheio de coco e  açúcar mascavo deixa no ar é uma delícia, lembra cocada. E a massa branquinha de farinha de arroz  parece ser bem gostosa. Imaginei que seria uma união perfeita. Mas quando provei, confesso que não morri de amores. Talvez comendo várias dessas bolinhas, eu comece a apreciar a iguaria.

Um pouco frustrada, olhei para a pequena estátua do homem com cabeça de elefante e disse: “gosto não se discute. Se você realmente gosta disso, feliz aniversário!”

Segue a receita:

Modak

Ingredientes

2 xícaras (chá) de água

1 colher (chá) de óleo vegetal

1 xícara (chá) de farinha de arroz

1 xícara (sopa) de coco ralado

1 colher (sopa) de castanha de caju picada

1/2 colher (chá) de açúcar mascavo

1/4 de xícara (chá) de leite integral

Folhas de prata comestíveis *

Modo de preparo:

Para fazer a massa, ferva a água numa panela e adicione o óleo. Depois coloque a farinha de arroz e misture bem até formar a massa. Deixe esfriar.

Para o recheio, derreta a manteiga em uma panela, em fogo baixo, e adicione o coco ralado, a castanha de caju e o açúcar. Misture bem. Feito isso, adicione o leite e mexa sem parar por 3 minutos em fogo médio (até que ele fique “crocante”, parecido com uma cocada brasileira). Após o procedimento, deixe esfriar em temperatura ambiente.

Na montagem, pegue a massa, divida em 9 partes e forme bolinhas. Depois faça um furo com o dedo e preencha com o recheio. Deixe descansar e sirva em temperatura ambiente.

*opcionais, são usadas para decorar o prato no dia da festa. Use-as por cima do doce (à venda em empórios) – não usei. Tentei remediar polvilhando açúcar mascavo, mas derreteu tudo instantaneamente. Então passei as bolinhas no coco ralado. Espero que Ganesha considere a intenção!

Muffins de banana e noz pecan

Estes muffins são uma delícia e bem fáceis de fazer. Nem precisa de batedeira! A receita é minimamente adaptada do livro Cupcakes, Muffins & Baked Goods, presente que ganhei dos meus amigos Roger e Simone.

Experimente!

Banana pecan muffins

Ingredientes:

150 gr (1 xícara de chá) de farinha de trigo

1 1/2 colher de sopa de fermento em pó

1 pitada de sal

 70 g (1/3 de xícara de chá) de glaçúcar

115 gr de pecans picadas

2 bananas nanicas grandes e amassadas

5 colheres de sopa de leite

2 colheres de sopa de manteiga derretida

1 ovo grande batido

1 colher de sobremesa de essência de baunilha

Modo de fazer:

Em uma vasilha, peneire a farinha, o fermento e o sal. Adicione o açúcar e as nozes pecan e misture bem.

Em outra vasilha, misture a banana amassada, o leite, a manteiga derretida, o ovo e a essência de baunilha. Adicione a essa mistura os ingredientes secos e bata levemente apenas até que fique tudo bem misturado.

Divida a massa em forminhas de papel forneáveis acomodadas nos canecos de assadeira própria para muffins. Leve para assar em forno pré-aquecido a 180º por 20 a 25 minutos, ou até que espetando um palito este saia limpo.

Assim que tirar do forno, coloque os muffins para esfriar em uma grade.

Lasanha de palmito

Ok , ok… Este blog tá meio abandonado, mas não desisti dele! hehehe Correria, né! Mas vamos lá! Esta lasanha fiz zilhões de vezes para meus amigos e familiares. Sempre o mesmo sucesso!  A receita é do livro O gourmet vegetariano, de Rosângela Castro.

Muito fácil de fazer e, como a própria autora apresenta, essa lasanha é “divinamente saborosa”. Experimente fazer uma vez e terá que fazer várias vezes! =)

Ingredientes:

250 gr de massa para lasanha (Uso da Petybon, daquela que vai direto ao forno)

4 tomates grandes e bem vermelhinhos

1 cebola grande

4 colheres (sopa) de óleo (uso manteiga)

1 colher (sopa) de açúcar

1 vidro grande de palmito

Manjericão a gosto

2 xícaras de leite

2 colheres (sopa) de manteiga

2 colheres (sopa) de amido de milho

50g de queijo parmesão ralado

noz-moscada ralada a gosto

250 gr de queijo mozzarella fatiado

Sal a gosto

Orégano a gosto

Azeite de oliva a gosto

Modo de fazer:

– Numa panela grande, coloque água para ferver, acrescente sal e óleo e coloque a massa para cozinhar. Mexa de vez em quando. (Se usar a da Petybon, não precisa cozinhar).

– Escalde os tomates em água fervente e logo em seguida banhe-os em água fria para retirar a pele. Em seguida, retire as sementes e pique-os.

– Corte a cebola em tirinhas finas, refogue-as no óleo (ou manteiga) até que fiquem bem douradas e acrescente os tomates. Adicione o sal a gosto e o açúcar, para amenizar a acidez dos tomates. Deixe cozinhando para formar o molho e, por fim, junte o palmito picado e o manjericão.

– Prepare o creme de parmesão: misture o leite com o amido de milho, a manteiga e o queijo parmesão ralado. Leve ao fogo, mexendo sempre até engrossar. No final, acrecente noz-moscada ralada.

– Monte a lasanha, untando uma forma refratária com azeite. Coloque primeiro uma camada fina de creme de parmesão; depois, uma de massa; a seguir, molho com palmito; depois uma de massa, creme, fatias de mozzarella. Complete as camadas, alternando-as desta maneira: massa, molho com palmito, massa, creme, queijo mozzarella. Regue com azeite de oliva e polvilhe com orégano.

– Leve ao forno pré-aquecido e deixe até o queijo ficar bem derretido.